Em Destaque

Solenidade de Pentecostes, um convite a sermos dócil ao Espírito

P ercorremos exatos cinquenta dias do tempo Pascal e com a solene celebração de Pentecostes [1] chegamos ao fim deste tempo e ret...

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

como preparar uma boa homilia - texto 6





06 -Como melhorar a Pregação Sagrada 

Hoje falaremos de quais são os diferentes tipos de ouvintes que temos nas nossas pregações.

Precisamos adaptar-nos ao nosso público ou ouvintes, tanto no conteúdo como na forma da pregação.
 
Crianças
No Diretório para missas com as crianças que a Santa Sé publicou em 1973 destacam-se esses pontos:
A homilia pode ser feita em forma de diálogo com elas.
Recomenda-se um curto silêncio depois da homilia para que as crianças possam ir aprendendo a arte de recolher-se para rezar a Deus.
O pregador tem que conhecer profundamente a criança e o seu ambiente e ter algumas noções de psicologia infantil. Ajuda explicar aqueles textos da Sagrada Escritura que são gráficos, que apresentam acontecimentos ou sucessos, como os milagres ou as parábolas, aptas para capturar a imaginação infantil. É necessário traduzir o Evangelho para a linguagem da criança e para a vida dela.
Dicas:
Familiarizar a criança com Jesus.
Introduzí-las aos poucos na vida religiosa da comunidade, explicando os sinais e vestes litúrgicas, os períodos litúrgicos, os cantos, as partes da missa.
Ajudá-las a seguir a Jesus, que se assemelhem com Jesus.
O tom de voz e o rosto do pregador das crianças deve ser muito cordial, amável e simples.
Encher as pregações de exemplos e vidas de santos.
É bom deixar uma só ideia para elas.
Ser breves.

Jovens
Cristo é o seu ideal, tem algo a dizer-lhe e é um amigo dos jovens. Temos que apresentar a Cristo de forma tão atraente que os jovens queiram seguí-lo e imitá-lo.
Aproveitar o otimismo do jovem, seu impulso à ação e a nostalgia de amizade e de comunidade.
O pregador tem que demonstrar que ama os jovens e os aceita como são: idealistas, inquietos, inseguros, etc. Somente dessa forma se tornará jovem com os jovens e os conquistará para a causa de Cristo. Não deve atacá-los, mas alertar, estimular e oferecer-lhes ideais nobres e altos.
É preciso conseguir que façam a experiência da confiança na Igreja, que sempre quer o seu bem e a sua felicidade.
O tom com os jovens deve ser vibrante, confiante, positivo e sempre transparente e honesto. Nunca vão perdoar ao pregador que lhes escondeu as exigências da vida cristã. Sempre se lembrarão do pregador que lhes explicou com respeito, mas com sinceridade, a verdade de Cristo e da Igreja.
Adultos
Normalmente os adultos procuram uma pregação com certa densidade, para aprofundar na sua fé.
Isso não significa que seja seca e sem vida. Sempre falar a todas as faculdades do homem: inteligência, vontade e coração.
É preciso comprometê-los a serem apóstolos no seu próprio ambiente. Portanto, as pregações devem ser concretas e com aplicações para a vida deles.
O tom do pregador de adultos tem que ser seguro, com postura, força e sempre motivador e positivo.

Idosos e enfermos
Em muitas igrejas predomina as pessoas anciãs e doentes, que são normalmente as de maior prática religiosa, pois têm mais tempo para a tradição de ir à missa. Muitos como a anciã Ana e Simeão do Evangelho, esperam o entardecer da vida na casa de Deus.
Os idosos e os enfermos não querem que o pregador apele para a compaixão, mas querem ser compreendidos. Não querem ser tratados infantilmente, como se fossem crianças ou débeis mentais, mas querem ser tratados com dignidade e carinho.
Tanto o tom quanto o conteúdo das homilias deve ser suave, amável, esperançoso e sempre carinhoso.
Deixar-lhes ver como podem ajudar os seus netos com o seu exemplo e a sua fé, e, se estiverem doentes, que ofereçam as suas dores pela Igreja, pelo Papa, pelas vocações e pela humanidade necessitada.

Com religiosas e sacerdotes
Deve ser profunda, com certa originalidade ao tratar os temas, porque são pessoas já cultivadas, não podem estar escutando sempre os temas do mesmo modo.
O pregador tem que ter muita unção.
Valorizar a sua entregra ao Senhor para que cresçam no seu amor a Cristo e estejam orgulhosos de pertencer a Ele.
Ajudaria muito apresentar-lhes os Santos Padres e os documentos da Igreja unidos ao assunto que está sendo tratado.
Têm que ser homilias e palestras, de preferência, breves, mas densas, positivas, motivadoras, e com um tom cordial, alegre e cheio de bondade.

Com os pobres e necessitados
É o público mais receptivo e amável que nós temos como sacerdotes, o mais gratificante, e o que mais enche o nosso coração sacerdotal de alegria, simpatia e profundo amor, como acontecia com Jesus. Eles nos evangelizam em cada pregação que damos. Seus olhos atenciosos, seu sorriso sincero, seu abraço carinhoso, sua família numerosa que a cada semana participa da missa… é para nós um incentivo para a nossa fidelidade como sacerdotes.
Temos que falar-lhes com muita simplicidade, carinho, amor e clareza. Basta uma verdade tirada das leituras bíblicas e explicada mais com o coração do que com a razão. Os pobrem têm que sentir que são os mimados e privilegiados de Cristo e da Igreja.
Não esqueçamos de apresentar algum exemplo da vida dos santos, que seja para eles um estímulo para as suas próprias vidas.
A cada semana ele têm que levar algo, não só no coração, mas também nas mãos, como manifestação da caridade da comunidade paroquial.

Não perca tempo, faça um curso online!

Canal aberto para quem admira, estuda, ou tem curiosidade sobre assuntos ligados as ações litúrgicas da Igreja.