Em Destaque

Solenidade de Pentecostes, um convite a sermos dócil ao Espírito

P ercorremos exatos cinquenta dias do tempo Pascal e com a solene celebração de Pentecostes [1] chegamos ao fim deste tempo e ret...

sábado, 17 de agosto de 2013

Homilias que devem ser evitadas

Tenho lido as colunas do Pe Antonio Rivero sobre a pregação sagrada, as colocações e reflexões são muito interessantes como o que é bom deve ser partilhado estou selecionando recortes destas matérias para que os leitores do CMLITURGO possam refletir e também postar as suas sugestões e opiniões.
Este recorte fala sobre homilias que devem ser evitadas: Aguardo o seu comentário!

Homilia soporífera: tão chato e com tom de funeral e monótono, que todos dormem. Sem expressão, sem entusiasmo, sem mudança de tom.
Homilia relâmpago: não dura um minuto. Deve durar cerca de 10 minutos, e no domingo, até 15 minutos. Em um minuto nada é dito.
Homilia chicote: onde o pregador acaba com os fiéis. Isso, nunca, porque o sacerdote é pastor e não fustigador. Perderá muitos paroquianos.
Homilia boba com gargalhada: conta piadas em abundância para ilustrar o que expressa, esquecendo-se de que as pessoas muitas vezes ficam com a piada e esquecem o cerne da mensagem.
Homilia de jornalista ou contador de histórias: "... eu estava outro dia no mercado ... pela praça ... pela escola ... na rua ... etc. ", e conta casos que ele viu e ouviu. Aqui fala não o padre, mas o jornalista... Quando não tem o que contar, conta histórias curtas e simpáticas. A homilia não é para isso.
Homilia enlatada: quando repete as homilias arquivadas há vinte anos. A homilia deve conter novidades e eventos atuais, do ponto de vista da Igreja e do mundo, se não, cheira a mofo.
Homilia política: Quando o padre fala de política e critica o político no cargo.
Homilia pílula de conforto: em funerais elogia tanto os mortos, que se esquece de abrir os olhos de todos os presentes para olhar para o rosto da eternidade e preparar as malas para a última viagem.
Homilia Teatro: o pregador faz teatro, salta e dança. Isso não é digno de uma ação litúrgica, nem é o lugar nem a hora. Isso não quer dizer que é inexpressivo ou monótono, como já foi explicado. "In medio virtus est" no equilíbrio está a virtude.

Por: Pe. Antonio Rivero, L.C., (na coluna Como melhorar a pregação sagrada) : Doutor e professor de Teologia e Oratória no seminário Mater Ecclesiae de São Paulo
fonte: Zenit.org

Não perca tempo, faça um curso online!

Canal aberto para quem admira, estuda, ou tem curiosidade sobre assuntos ligados as ações litúrgicas da Igreja.