Em Destaque

Solenidade de Pentecostes, um convite a sermos dócil ao Espírito

P ercorremos exatos cinquenta dias do tempo Pascal e com a solene celebração de Pentecostes [1] chegamos ao fim deste tempo e ret...

segunda-feira, 4 de abril de 2011

LITURGIA DIÁRIA


Leituras Relacionadas ao dia 04/04/2011 - CNBB
Roxo. 2ª-feira da 4ª Semana Quaresma

1ª Leitura - Is 65,17-21
Nunca mais se ouvirá a voz do pranto e o grito de dor.
Leitura do Livro do Profeta Isaías 65,17-21
Assim fala o Senhor:
17Eis que eu criarei
novos céus e nova terra,
coisas passadas serão esquecidas,
não voltarão mais à memória.
18Ao contrário, haverá alegria e exultação sem fim
em razão das coisas que eu vou criar;
farei de Jerusalém a cidade da exultação
e um povo cheio de alegria.
19Eu também exulto com Jerusalém
e alegro-me com o meu povo;
ali nunca mais se ouvirá
a voz do pranto e o grito de dor.
20Ali não haverá crianças condenadas
a poucos dias de vida
nem anciãos que não completem seus dias.
Será considerado jovem
quem morrer aos cem anos;
e quem não alcançar cem anos,
passará por maldito.
21Construirão casas para nelas morar,
plantarão vinhas para comer seus frutos.
Palavra do Senhor.


Salmo - Sl 29, 2.4. 5-6. 11.12a.13b (R.2a)
R. Eu vos exalto, ó Senhor, pois me livrastes!

2Eu vos exalto, ó Senhor, pois me livrastes,*
e não deixastes rir de mim meus inimigos!
4Vós tirastes minha alma dos abismos*
e me salvastes, quando estava já morrendo!R.

5Cantai salmos ao Senhor, povo fiel,*
dai-lhe graças e invocai seu santo nome!
6Pois sua ira dura apenas um momento,*
mas sua bondade permanece a vida inteira;
se à tarde vem o pranto visitar-nos,*
de manhã vem saudar-nos a alegria.R.

11Escutai-me, Senhor Deus, tende piedade!*
Sede, Senhor, o meu abrigo protetor!
12aTransformastes o meu pranto em uma festa,*
13bSenhor meu Deus, eternamente hei de louvar-vos!R.



Evangelho - Jo 4,43-54
Vai, teu filho está vivo.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 4,43-54
Naquele tempo:
43Jesus partiu da Samaria para a Galiléia.
44O próprio Jesus tinha declarado,
que um profeta não é honrado na sua própria terra.
45Quando então chegou à Galiléia,
os galileus receberam-no bem,
porque tinham visto tudo o que Jesus havia feito
em Jerusalém, durante a festa.
Pois também eles tinham ido à festa.
46Assim, Jesus voltou para Caná da Galiléia,
onde havia transformado a água em vinho.
Havia em Cafarnaum um funcionário do rei
que tinha um filho doente.
47Ouviu dizer que Jesus
tinha vindo da Judéia para a Galiléia.
Ele saiu ao seu encontro
e pediu-lhe que fosse a Cafarnaum
curar seu filho, que estava morrendo.
48Jesus disse-lhe:
"Se não virdes sinais e prodígios,
não acreditais."
49O funcionário do rei disse:
"Senhor, desce,
antes que meu filho morra!"
50Jesus lhe disse:
"Podes ir, teu filho está vivo."
O homem acreditou na palavra de Jesus e foi embora.
51Enquanto descia para Cafarnaum,
seus empregados foram ao seu encontro,
dizendo que o seu filho estava vivo.
52O funcionário perguntou
a que horas o menino tinha melhorado.
Eles responderam:
"A febre desapareceu, ontem, pela uma da tarde".
53O pai verificou que tinha sido exatamente na mesma hora
em que Jesus lhe havia dito:
"Teu filho está vivo".
Então, ele abraçou a fé,
juntamente com toda a sua família.
54Esse foi o segundo sinal de Jesus.
Realizou-o quando voltou da Judeía para a Galiléia.
Palavra da Salvação.


Reflexão - Jo 4, 43-54
Jesus declarou que um profeta não é honrado na sua própria terra. Como ele foi criado na cidade de Nazaré, que fica na Galiléia, fazia referência aos galileus, que precisavam de sinais e prodígios para crer e ficavam exigindo que Jesus operasse milagres que testemunhariam que ele de fato era o Filho de Deus. Jesus nos mostra que o processo é justamente o contrário: não são os sinais que devem nos levar a crer, mas é a nossa fé que deve produzir sinais de Reino de Deus, sinais de fraternidade, de justiça, de amor, de vida em abundância. Porque ter fé significa ter a presença amorosa e solidária de Deus em todos os momentos da vida.

Não perca tempo, faça um curso online!

Canal aberto para quem admira, estuda, ou tem curiosidade sobre assuntos ligados as ações litúrgicas da Igreja.